Algumas considerações sobre o instinto maternal e a gestação.



Fraternas,

Assim como acontece com todos os mamíferos já na gestação, nós fêmeas humanas também começamos a sentir cada vez mais forte este instinto no desenvolver do feto. Nosso sistema imunológico melhora consideravelmente para defender nossa gestação, digo nossa, porque nesse momento achamos que o feto e nós somos uma coisa só, pois sentimos seu crescimento, sua presença como indivíduo e a até seus movimentos, mas mesmo assim o serzinho como parte de nós, onde não podemos demarcar em nosso sentir onde termina um e começa outro. É uma sensação muito gostosa... Que nos leva a plena ternura... (e com muita fome e sono, risos).

Apesar de todo o conhecimento científico, há algo de mistério na gestação e no instinto maternal também para nós, é maravilhoso e intrigante ter um ser humano crescendo dentro, se alimentando de você e crescendo, crescendo, se formando, órgão a órgão, coração batendo, tomando forma, por isso é muito comum se ver grávidas curtindo suas barrigas com cara de bobona, mas na verdade, está em plena felicidade curtindo quem esta hospedado no seu calor, entre seus órgãos internos, seu bichinho humano se mexendo dentro de si.

As outras fêmeas do reino animal também ficam com comportamentos parecidos com os nossos... Como as ursas sentimos, vontade de “hibernar” em nossa toca, e com uma fome diferente e voraz que chamamos por “desejo”, pois devoramos coisas muitas vezes consideradas pela cultura como estranhas, mas no estado de gravidez são totalmente cabíveis aos nossos corpos. Esse "estado interessante", paulatinamente, modifica tudo em nós, há desconfortos como os enjoos nos primeiros meses, e o pipi todo instante (risos), mas depois passa e fica só a força e disposição em viver, nossa barriga vai ficando pesadinha, as pernas mais abertas e os sentidos básicos e intuição se ampliam porque a natureza vai aos poucos nos preparando para o que tem por vir, isso é: o parto, a amamentação e a criação até que o novo ser esteja forte para se defender neste mundo.

Amor/instintivo de mãe começa antes do filho sair de nossos corpos, existem exceções, mas o natural é que depois que o bebê saia do ventre, na convivência, o instinto cuidador se soma ao amor incondicional que se fortalece a cada segundo, e só aumenta, por toda a nossa vida. Portanto, a maternidade nos completa internamente porque expressa nosso mais puro instinto de vida, que vem da origem, da necessidade animal-fêmea de perpetuação da espécie, não de uma mera construção cultural como prega o feminismo equivocado. Não há nada o que temer, maternidade é NATURAL.

Afetuosamente,

Símia Zen.

2 comentários:

Cinara Menoni

Ola! lindo seu blog!
Mas não concordo com você em um ponto,o paradigma que toda mulher nasce para ser mãe.
Pelo que vejo nas mulheres até hoje,todas nascem com a possibilidade de gerar, mas não de ser mãe.
A maternidade pode ser uma das realizações da vida de uma mulher e de outra não.
Se isso de "instinto materno" para todas as mulheres, todas tratariam suas crias com o maior amor do mundo, afinal é da biologia da mulher , não?
Por que escuto tantas mulheres dizerem, que bom que tu não tem filhos, se pudesse voltaria atrás. Por que tantas mulheres tratam mal os seus filhos, abandonam, deixam sozinhos para ir a baladas, trocam eles por machos?
Acho que desde pequena se escuta, você tem que ser mãe, uma mulher só se realiza sendo mãe( assim como casar)dai muitas são mães e que dê a realização plena que tanto falaram
Eu não tenho filhos, provavelmente não vou gerar, não tenho vontade, mas quero adotar, pois tenho muito amor para dar a uma criança.
Acredito que a verdade(pela prática e não pelo blablabla) que para algumas mulheres a maternidade é maravilhosa e para outras não. E natural é escolher o que é natural para você.
Abraço e sucesso no blog

Símia Zen

Cinara, por premissa básica da natureza todas as fêmeas são potencialmente mães, instinto ligado a preservação da espécie, amenos que a fêmea tenha alguma doença ou deficiência física ou mental. Mas... com a influencia da cultura que não valoriza a natureza feminina, muitas mulheres abdicam desse bem convencidas que a procriação é algo condicionado por fatores culturais externos a natureza biopsíquica feminina, mas tanto nós como as demais fêmeas temos em nós esse instinto, e nós não só temos ventre próprio para a maternidade mas a conformação cerebral tmb. E é exatamente isso q fez a espécie humana existir até os dias de hj.

A maternidade é inerente a nós e não invalida nossa vida cidadã nem a realização de nossas vocações individuais como ser humano, obviamente haverão mulheres com mais ou menos instinto maternal e algumas jamais descobrirão e desenvolverão a capacidade de maternar, algumas por falta de oportunidade, algumas por preconceito e consequentemente rejeição a maternidade, outras por estarem desnaturadas pela cultura e algumas por outras questões ligadas a sexualidade, mas no geral somos dadas a maternidade naturalmente.

Postar um comentário

Retornar ao topo