A Adoção de Crianças



Fraternas,

A quantidade de mulheres que engravidam e não tem recursos para criar seus filhos e por conta disso apelam para o crime abominável do aborto é incrível, outro problema a as mulheres se deparam é com a infelicidade da promiscuidade sexual e nesta uma infelicidade ainda maior que é a da gravidez indesejada. Adolescentes fazem sexo irresponsável e engravidam, tudo isso colabora para a quantidade exorbitante de abortos. Uma lástima...

A adotar crianças órfãs, abandonadas e que seriam mortas em abortos é um ato de misericórdia a essas pequenas promessas de vida que se perdem por falta de amparo. Acolhê-las é a única forma de salva-las da morte, doenças e ingresso criminalidade. Claro que ninguém vai adotar um bebe ou criança sem ter condições para isso, claro que todas nós preferimos por instinto parir nossos filhos ao invés de adotar crianças vindas de outros ventres, mas às vezes se pode dar um jeitinho de aumentar nossa família somando os filhos de ventre com filhos de coração. Naturalmente essa é uma decisão que deve ser tomada junto com o marido e ou filhos já paridos.

Ainda há muito preconceito e medos tolos em relação à adoção de crianças, não é verdade os absurdos que dizem por aí. Estes absurdos são fruto da ignorância e também é uma maneira de escamotear o verdadeiro motivo que faz com que muitas mulheres que podem adotar não fazê-lo, que é não querer adotar pura e simplesmente. Os absurdos servem nisso como um subterfúgio confortável para manterem uma mascara de bondade perante aos outros. Ora! Ninguém tem que adotar, ninguém é obrigado a querer essa responsabilidade e trabalhos com os filhos alheios, é tão mais honesto assumir isso sem prejudicar a dinâmica da adoção, passando informações e argumentos inverídicos que podem desmotivar aquelas que realmente sentem em seu íntimo vontade de ter filhos de coração.

Em épocas mais antigas, eram mais comuns óbitos de mães nos partos, era comuns mulheres solteiras entregarem nos conventos seus bebes, muitas mães faleciam cedo por doenças que hoje têm cura e as crianças delas eram adotadas sem problemas, crescendo muito bem junto a nova família. Dizer que índole má é hereditária ou que não pode ser mudada com boa educação carinho é um absurdo, isso não é verdade. Existem inúmeros exemplos que mostram o contrário. Se um casal não quer adotar tudo bem, é normal que se queira filhos com seu gene, mas não é necessário desmotivar as que querem e precisam adotar por falta de fertilidade de um dos cônjuges por exemplo.

Um casal que não pode ter filhos, se não adotar um bebe ou criança fica sem netos para os beijinhos e conforto na velhice, fica sem a oportunidade de expressar seu amor de mãe e pai e avós, sem ter a quem deixar seu legado e herança material, sem ter as vivências inerentes à criação de filhos, as quais são benéficas ao amor do casal. Filhos fortalecem os laços de união e aliança do casal quando este é verdadeiramente feliz. Crianças em casa trás alegria e aventura, mais emoção e incentivo à luta da vida. Portanto, é salutar completar a família com filhos adotados no caso de casais que não tiveram a sorte da fertilidade.

Não só casais heterossexuais podem adotar os casais homossexuais também, inclusive para estes é a única maneira de terem filhos, pois por razões obvias, não vivenciariam esse bem de amor se não adotando os filhos biológicos abandonados das pessoas heterossexuais. Não precisam ficar com o afeto paternal e maternal sufocados sem expressão, nem impedimento de ter a quem deixar suas heranças materiais ou não, não precisam se limitar a ter animaizinhos de estimação em substituição de crianças.

Hoje em dia, muitas mulheres maduras ou inférteis vivem sozinhas tristes com bichinhos de estimação, sendo para elas seus filhos por falta de terem filhos humanos. A adoção nestes casos é importante também para sanar parte de sua solidão, pois com filhos humanos uma mulher nunca estará só.

A vida é mais bela e feliz com filhos, sejam biológicos ou adotados, pois o amor independe de tudo, é um sentimento que se constrói no dia a dia, claro que vem muito do instinto animal, mas a adoção também satisfaz aos instintos, é comum vermos outras fêmeas do reino animal adotando crias inclusive de espécies antagônicas como os cães e gatos por exemplo. Inclusive existem vários casos de mães adotivas produzirem leite para seus bebes adotados sem ter nunca engravidado, isso é instinto, isso é natureza.

Ainda estamos longe de erradicar a gravidez na adolescência, pois a liberdade sexual feminina que é praticada no cotidiano é consideravelmente nociva para as próprias mulheres e por isso é necessário que se tenha como oferecer as essas meninas outra escolha diante da facilidade que há no país em fazer abortos, até que as mulheres acordem e se preservem, os abortos e abandonos de filhos continuarão acontecendo, claro que o correto é se fizer a prevenção desses horrores e erradicá-los com isso, mas numa alternativa de urgência, se a adoção se popularizar mais, com certeza teremos uma sociedade bem melhor em termos de qualidade de vida afetiva das mulheres em termos gerais.

Afetuosamente,

Símia Zen.


2 comentários:

Anônimo

Muitas vezes uma mulher é muito mais mãe sendo de coração, do que a que gera.Pois, a que gera nem sempre quer o filho e a que adota quer muito aquele filho. Mas não devemos ter filhos pensando que estaremos seguros no futuro,nem sempre isso é verdadeiro, muitos filhos abandonam seus pais, quando esses ficam velhos, aparecem na hora da herança,digo isso por mim mesma, pois somos duas filhas e só eu me preocupo com minha mãe, foi assim com meu pai também. E como eu sei de muitos casos onde filhos foram muito bem educados e amados e abandonam seus pais na velhice. Há os casos de péssimos pais também, o que não se encaixa no meu caso e no das pessoas idosas que conheço.

Símia Zen

Verdade, há muito desrespeito aos filhos e tmb aos pais, as consequencias disso são a desunião, desamor e um monte de doenças ocasionadas por emoções ruins e estresse.

Postar um comentário

Retornar ao topo